Policial Militar da Força Verde é preso em flagrante em Toledo

Um Policial Militar da Força Verde de Toledo foi preso em flagrante no final da tarde desta quinta-feira (30), acusado pelo crime de concussão a moradores da área rural.

A corregedoria teve conhecimento dos fatos no último dia 21 de janeiro, aonde compareceu na sede da SubCorregedoria da PMPR, um casal de agricultores da Vila Ipiranga, distrito de Toledo/PR.

Aonde os mesmos relataram, "Que em 17 de janeiro de 2020, receberam em sua propriedade a viatura caracterizada da Polícia Ambiental de prefixo PMPR, composta de dois policiais.
Sendo que os quais (Policiais) após vistoria ambiental e constatarem aparentemente, vários delitos ambientais.

Tendo dado início ardilosamente de praticar ato de Oficio (CPM, art. 319 -PREVARICAÇÃO) com fim de satisfazerem interesse pessoal: ato continuo os Policiais Ambientais passaram a constranger os agricultores por mais de uma dezena de vezes, ameaçando-os de que seriam levados para delegacia: continuaram astutamente a dar valores, as multas para os supostos delitos/Infrações administrativas ambientais, chegando até R$ 80 mil, depois foi para 90 e por fim finalizou que a multa seria de R$ 100.000,00.

Os PM-Ambientais divorciados do DEVER-DE-OFÍCIO, vieram a exigir indiretamente vantagem indevida ao pronunciarem por várias vezes 'cara me ajuda, que eu te ajudo' e ainda 'a gente poderia deixar quieto isso se vocês pagassem uns 20%'.

Movido por forte emoção o agricultor (depressivo), disse ter "uns R$ 20 mil", o que de pronto foi aceito pelos Policiais Ambientais e exigiram ainda que o pagamento deveria ser na quinta-feira (23/01/2020) tudo em espécies e que não poderia ser dito nada a ninguém e que
fariam contato pelo telefone: no dia 20/01/20.

No dia combinado um dos policias realizou contato por WhatsApp com a vítima perguntando se 'conseguiram arrumar um pouco' (do dinheiro para o pagamento da propina).

Em 23/01/2020, os Policiais Ambientais voltaram a propriedade a procura da vítima, na ocasião que já estava consumado, em tese, o crime de concussão, todavia a COGER-PMPR já sabendo dos atos preparatórios para o recebimento da vantagem indevida.

Postou-se em vigilância com equipamentos de áudio e vídeo para evidenciar a consumação do ato do crime de corrupção Passiva.

Assim pegando em flagrante o recebimento de R$ 5.000 (cinco mil reais) recebido das mãos da Vítima, todos em espécie (correspondentes as notas fotografadas pela Vítima e enviadas fotos para a COGER-PMPR em data de 30/01/2020) e após consumado o delido.

Os Agentes da Corregedoria da Polícia Militar do Paraná no exercício sacerdotal previsto na LOH em seu art. 13. combinados ainda com o art. 301 do CPP e/ou art. 243 do CPPM deram voz de prisão ao Policial-Ambiental.

Sendo lhe assegurado o direito de permanecer calado e dar um telefonema e de constituir um advogado para acompanhar os atos processuais penais.

Diante do risco eminente, em face dos detidos possuírem habilidades no tato com arma de fogo foi utilizado algemas para a proteção dos agentes da corregedoria PMPR.




Via: Redação/Luiz Felipe Max/P24 - Foto: Aílton Santos 

Envie sugestões de Pautas, Fotos ou Videos, para o nosso Whatsapp que a nossa equipe irá atender você. (45) 9.9122-3773 ou Entre no nosso grupo do WhatsApp: https://goo.gl/WjuzHP.

Postar um comentário:

Tecnologia do Blogger.